Carlos Drummond de Andrade- Dia D

Minha vida sempre foi permeada pelos textos de Carlos Drummond de Andrade, sou daquelas que chora junto ao texto e que acha nos mesmos definições para entender a vida.

Quando os leio, leio com resignação, leio-os com o respeito de se ler a alma de um poeta. Esse é um dos meus textos preferidos:

(…) Pois de tudo fica um pouco.

Fica um pouco de teu queixo

no queixo de tua filha.

De teu áspero silêncio

um pouco ficou, um pouco

nos muros zangados,

nas folhas, mudas, que sobem.

Ficou um pouco de tudo

no pires de porcelana,

dragão partido, flor branca,

ficou um pouco

de ruga na vossa testa,

retrato.

(…) E de tudo fica um pouco.

Oh abre os vidros de loção

e abafa

o insuportável mau cheiro da memória.

(Resíduo)

Carlos Drummond de Andrade

Ao Drummond

Quero me calar mas suas palavras me fazem gritar

Quero não chorar mas ao ler suas verdades como ficar!

Não quero simulações quero apenas suas verdades

Quero seu faz de conta que me faz mergulhar

mesmo sem me encontrar.

  • Hoje é aniversário da querida Faniquito dedico toda poesia e encanto de Drummond a ela, Aqui o blog para deixar um beijo nela.
  • Fio de Ariadne está  homenageando Drummond, durante todo o dia será publicado textos de Carlos Drummond de Andrade.
  • Fernanda Reali está também nessa linda homenagem a Drummond.

Obrigado por vir, adoro sua visita fique à vontade.

Carlos Drummond de Andrade- Dia D
Avalie Este Artigo