Saiba mais sobre a origem dos parklets

public-parklet

É provável que você já tenha ouvido falar dos parklets – talvez tenha inclusive estado em um, embora não soubesse do que se tratava. Os parklets são como mini praças instaladas em vias públicas, ocupando um espaço equivalente a duas vagas de estacionamento. Acabam se transformando em extensões da calçada e funcionam muito bem como espaço de lazer e convivência. E o melhor: seu acesso é gratuito, livre para qualquer pessoa que estiver passando pela rua. Segundo estimativas, uma média de 300 pessoas circulam em um parklet ao longo do dia, enquanto duas vagas de estacionamento são usadas, em média, por 40 pessoas por dia. Sentiu a diferença?

Neste artigo vamos contar um pouco mais sobre a origem dos parklets. Eles surgiram há algum tempo: em 2005, para ser mais específico, na cidade de São Francisco, nos Estados Unidos. A cidade promove anualmente o Parking Day, evento criado no intuito de conscientizar a população sobre o uso do carro em relação à sustentabilidade.

No Parking Day, diversos artistas e arquitetos são estimulados a repensar o uso do espaço público pela pessoa, reunindo diversos projetos inovadores e sustentáveis. O primeiro esboço de parklet surgiu ali, e era chamado de “Park(ing)”, um projeto desenvolvido pelo estúdio norte-americano Rebar. Ele foi instalado na região central de São Francisco. A ideia, na época, era transformar uma vaga de estacionamento em um “PARK(ing) space”, trocadilho entre parking (estacionamento) e park (praça).

primeiroparklet-EUA

A ideia pegou rápido. Com tamanha aprovação dos cidadãos, não tardou para os parklets despontarem em outras cidades importantes do país, como Los Angeles, Chicago e Nova York. Esses primeiros modelos inspiraram diversos países e logo os parklets ganharam o mundo.

Para instalar um parklet, na época, era preciso criar um projeto piloto como teste antes de qualquer coisa. Depois, era desenvolvido um Manual de Implantação do Parklet, um documento que dialogava com a legislação loca. Aos poucos, cada cidade passou a entender melhor sua estrutura e as melhores formas de acomodar os parklets em espaços públicos. Com isso, as cidades desenvolveram suas próprias regras e normas, que podem mudar conforme as necessidades locais.

Então você se pergunta: e no Brasil, quando os parklets desembarcaram? Eles chegaram ao país só em 2012, ainda no formato de projeto piloto. Nasceu de uma iniciativa da ONG Instituto Mobilidade. O parklet foi implantado algum tempo depois, já com apoio de outras organizações, em 2013, na cidade de São Paulo.

Uma curiosidade: este primeiro parklet foi instalado com todas as autorizações necessárias, mas só foi formalizado como uma ideia experimental. A implementação de novos parklets na cidade de São Paulo só foi regulamentada em definitivo em 2014. Ao longo dos anos, eles foram regulamentados em outras cidades brasileiras – como Goiânia, Curitiba, Belo Horizonte e Porto Alegre – e estão em vias de serem regulamentados em outras tantas! No Brasil, inclusive, já ganharam o nome de “Zonas Verdes” durante a fase de implementação. Um nome que dialoga com toda a proposta sustentável do parklet.

Se compararmos o primeiro parklet com todos os que sugiram depois, a proposta fica ainda mais interessante. Mostra o quanto podemos ajudar nossas cidades a pensarem em sustentabilidade e, ao mesmo tempo, estimular a criatividade dos arquitetos e oferecer um agradável espaço de convivência em lazer em meio ao caos cotidiano.

parklet-ambar-cervejaria

Clique aqui para mais informações sobre parklets